Muito Prazer

Andragogia

Na década de 70, o termo Andragogia ganhou uma dimensão corporativa, quando Malcom Knowles ampliou o conceito e definiu a Andragogia como a arte ou ciência que estuda a educação para adultos com o objetivo de atingir uma aprendizagem efetiva, capaz de desenvolver habilidades, conhecimentos e competências.

O adulto, desde aquele pouco alfabetizado até um executivo, é um ser capaz, assume responsabilidades: família, equipes, atribuições laborais. E diante de uma proposição de aquisição de novos conhecimentos esses fatores deverão ser considerados, pois é natural que essas pessoas queiram ter suas idéias consideradas ao invés de serem ouvintes e executores passivos.

Para o indivíduo absorver as informações é necessário que ele tenha uma representação daquilo que está sendo proposto – ele precisa sentir que está ganhando algo prático e real. Se ele não vê um ganho no que está investindo ou estudando, a aprendizagem andragógica não acontecerá.

Nesse sentido, o modelo andragógico entende que uma grande parte da responsabilidade do aprendizado é do próprio aluno, transformando o papel de professor em facilitador de aprendizagem.

A Andragogia baseia-se em seis princípios fundamentais:

Necessidade: os adultos precisam saber por que necessitam aprender algo;

Autoconhecimento: São responsáveis por suas decisões e escolhas.

Experiências: os adultos já acumulam experiências variadas, que irão se unir ou reagir ao conteúdo a ser aprendido.

Prontidão: os adultos têm prontidão de aprender as coisas que precisam saber para enfrentar as situações da vida real;

Orientação: a orientação da aprendizagem dos adultos é centrada na vida, ou seja, buscam o significado prático da aprendizagem.

Motivação: a motivação interna é mais intensa que a externa. Os adultos buscam em primeiro plano a autorrealização, a melhoria autoestima, a qualidade de vida e em segundo atendem aos estímulos externos.

Muitos destes princípios são aplicados empiricamente nas empresas, por exemplo, quando um colaborador ingressa na corporação, irá diretamente encontrar colegas de trabalho modelados com a prática que será realizada pelo iniciante na empresa, portanto, a prática cotidiana já será vivencial. Outro fator é que o profissional já tem um quadro de funções a serem desempenhadas dentro da organização, o que facilitará seu desempenho, pois ele já tem noção do que precisará realizar para garantir os resultados.

No entanto numa aplicação planejada e sistematizada, os objetivos e propósitos da aprendizagem e seus resultados, são mais assertivos e geram resultados mais regulares e rentáveis.